Páginas
em construção

©2012 por Karina Queiroz

Ah a privacidade ...

Desde que o primeiro acesso à rede social foi concedido a privacidade é discutida e usuários continuam a postar dados pessoais e sensíveis. Vamos separar as informações assim:

Dados pessoais: CPF, RG, Endereço, Nome completo, email, etc.Dados sensíveis: informações sobre sua saúde, notas na escola, conversa particular, escola que estuda, fotos, etc. Ainda que nesse caso, sejam dados pessoais também, falam mais sobre você.




O fato é que quando a rede social virou parte do dia-a-dia das pessoas a privacidade não era uma preocupação geral, e agora, além das pessoas darem mais atenção às notícias de vazamento de informação, também reconhecem que expor informações pessoais pode trazer riscos à vida. Esse risco de fato existe e é o objeto principal desse artigo. Toda informação que te identifica e te caracteriza pode ser usada contra você.


Com o seu endereço posso: 

Mandar um convite para um festa (falsa) – uma armadilha para um sequestro.

Posso enviar um técnico (falso) para verificar o medidor de água, focos de dengue, fazer pesquisas


Com o seu telefone:

Posso ligar informando que sou de uma operadora de telefonia ou banco solicitando MAIS informações da sua vida. Ah, e começo assim….”Soube que você contratou  uma operadora de TV faz algum tempo, certo ?Posso fingir ser seu filho chorando (conhecemos esse golpe), marcar uma visita técnica qualquer, fingir vender um produto, uma instituição de caridade (falsa).


Com suas fotos do face, insta, google+, etc:

Posso te descrever ao te ligar, falar de lugares que você costuma ir, dizer que sou amigo de uma amiga sua, falar sobre suas preferências, vender um produto que você curte, te encontrar na escola e te seguir.

E nada disso é irreal ou coisa de filme, acontece o tempo todo, só que sempre com o vizinho, assim como assaltos, acidente de carro, furto de carteira, celular. Veja que ao longo do tempo você já pode ter sido vítima desses crimes mais comuns e antigos mas crime cibernético talvez ainda não. Pense nas prevenções que você já adotou para que não fosse assaltado, furtado. Carregar a bolsa na parte da frente do corpo, não andar na rua a noite, fechar o vidro do carro, não parar para responder a estranhos na rua… agora pense o que você vem fazendo para evitar o mesmo de cibercriminosos.

Além dos cibercriminosos é importante lembrar que tudo que fazemos são informações importantes para as empresas que também nos monitoram, verificam o que fazemos. Notícias de venda de informações por grandes empresas, vazamento de informações pessoais e sensíveis, uso indevido das informações para nos conversar a comprar produtos e praticar ações em prol de uma crença, tudo isso é uso indevido da informação – veja, você pode ter aceitado esse “uso” quando aceitou as políticas de privacidade dos websites, mas ainda sim as empresas já estão sendo processadas e precisam se adequar a leis de privacidade.


No Brasil foi criada a LGPD – Lei Geral de Privacidade de Dados, que entrará em vigor em Agosto de 2020 e na Europa já está em vigor a GDPR – General Data Privacy Regulation que igualmente exige que as empresas comprovem que tratarão dados pessoais e sensíveis com seriedade, garantindo a segurança das informações e solicitando ao “dono da informação” aprovação para o uso em suas atividades ou de terceiros. A Google foi multada recentemente em 50 milhões de euros porque não deixava claro como era utilizado os dados pessoais do usuários. A Facebook enfrenta os tribunais todo mês. Esse tema é importante.


A privacidade quem faz somos nós primariamente por isso pense antes de compartilhar algo que poderá te comprometer ou a seus filhos, futuros profissionais e adultos responsáveis pela própria imagem. Além disso, expor as crianças a cibercriminosos é um risco que não nos cabe correr. Acompanhe nossas dicas e seja vigilante.


Bjuks

Karina Queiroz

2 visualizações